Molda Ceramic Concept Store no Portugal em Directo 2020

Loja da Molda reabre hoje nas antigas instalações da Bordallo Pinheiro 2020

CÂMARA LANÇA PROGRAMA DE AQUISIÇÕES PARA CERAMISTAS LOCAIS 2020

Festa de Encerramento Molda Concept Store 2019

Arcadia br + Amado / Faustino / Lencastre pt + Čao Laru fr/br 2019

MOLDA – Ceramic Concept Store 2019

Biblioteca de um Ceramista Industrial (1880-1980) 2019

Tiragem 2018

Produto Próprio 2018

CONVERSAS SOBRE A EXPOSIÇÃO “PRODUTO PRÓPRIO” 2018

EXIT 2017

A nova cerâmica das Caldas da Rainha está à mostra 2017

Exposição inédita junta obras de 12 ceramistas nas Caldas da Rainha 2017

12 ceramistas / 12 projectos – Feira dos Frutos 2017

Uma bienal de cerâmica em três tempos: coleção, autor, fábrica 2016

Tudo em cerâmica: nas Caldas nasceu uma bienal e uma nova colecção de design 2016

A MOLDA no programa As Horas Extraordinárias, RTP3 2016

Primeira Escolha 2016

In it 2016

Empenas 2016

Molde 2016

Animais na Cerâmica Caldense 2016

Curso de formação – Colecções de Cerâmica Caldense: património e história 2016

Conferência História da Faiança em Portugal: Novas Abordagens 2016

ESAD EXIT 2016

Conferência — Design, Cerâmica e Sustentabilidade 2016

Workshop — Mission Impossible – Globe Protocol 2016

Conferência – Cerâmica, Inovação e Design 2016

Escola convidada: ESAD.CR 2016

Molda 2016 2016

Tudo em cerâmica: nas Caldas nasceu uma bienal e uma nova colecção de design

9 de Novembro de 2016

PÚBLICO

Actividade de referência da cidade é o foco de uma bienal que fez as primeiras aquisições de peças de design contemporâneo em cerâmica para colecção coordenada por Fernando Brízio.

As Caldas da Rainha têm a cerâmica no seu ADN. Está nas fábricas que aloja, nos cursos que oferece em exclusivo, nas lojas, na arte pública e nos azulejos para cobrir parte da Praça da Fruta que brilham ao sol. A cerâmica está também na sua nova bienal, a Molda, que desde o final de Outubro quer vincar a identidade como Caldas Cidade Cerâmica e contribuir para a candidatura ao título de Cidade Criativa da Unesco – pelo caminho, já fez a Primeira Escolha do que será a sua colecção de design contemporâneo em cerâmica, “um legado” para a cidade e para o país, diz o designer Fernando Brízio.

Primeira Escolha é o título de uma das quatro exposições, ou eixos, que constituem esta primeira edição da Molda, que homenageia ainda uma fábrica – a Molde e o seu espólio de cerâmica industrial -, uma escola – a Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha (ESAD.CR), cujos alunos são responsáveis pela intervenção na Praça da Fruta azulejada – e uma colecção – a de João Maria Ferreira, focada na representação dos Animais na Cerâmica Caldense, da mais arcaica à contemporânea.

E é de cerâmica contemporânea, mas internacional abarcando também autores portugueses, que se fará a colecção que “fica sob custódia das Caldas”, como explica ao PÚBLICO o comissário geral da Molda, João Bonifácio Serra, e que pretende mostrar “a maior diversidade possível” de autores e propostas. Do designer estrela Konstantin Grcic ao próprio Brízio, passando pelos portugueses Filipe AlarcãoMarco Sousa SantosMiguel Vieira Baptista ou Bela Silva, e por outros nomes internacionais como Marcel Wanders ou Maarten Kolk & Guus Kusters, estão para já representadas dezenas de peças de 52 autores. São as primeiras peças de uma “colecção de produção contemporânea em design com a cerâmica como matéria”, categoriza Brízio, também professor da ESAD.CR, adquirida com parte do orçamento da Molda e do programa Caldas Cidade Cerâmica: um milhão de euros para cinco anos desde 2015, 50% dos quais atribuídos pela autarquia e os restantes ainda a ser angariados pelos organizadores, que têm em vista parcerias e fundos comunitários.

Fazer compras online comprovou-se mais fácil do que pedir peças emprestadas para a exposição e aí percebeu ser possível fazer uma colecção, conta Fernando Brízio, conhecido pelo seu trabalho tanto por encomenda quanto para produção, especializado em design de produto mas a trabalhar nas fronteiras da arte, da experimentação e da produção em série. Foi “uma fórmula e uma feliz coincidência” que permitiu criar uma colecção que complementará de forma especializada acervos como a do Museu do Design e da Moda (Mude), da autarquia de Lisboa, ou de coleccionadores como Paulo Parra, muita da qual no MADE de Évora.

A colecção que agora nasce nas Caldas, e cujas primeiras peças estão em exposição até 4 de Dezembro no Museu José Malhoa, pretende também falar do que torna a cerâmica, “um material relativamente económico e de fácil acesso”, num dinamizador do próprio design. “Desempenhou um papel de experimentação que tem alargado a possibilidade de reflectir” na disciplina, explica Brízio, lembrando projectos como o que uniu o atelier holandês Droog à histórica Rosenthal em 1997, em que participou uma das integrantes da colecção, Helen Jongerius, “que a partir da cerâmica criaram novas possibilidades” numa disciplina dominada até então “por ideias de produção industrial, ou onde se procurava a perfeição no objecto, a superfície acabada”. Através da cerâmica e de novas tecnologias, começou-se a “assimilar o defeito com a qualidade e a usar novos materiais” e muitos designers abraçaram, por exemplo, a auto-produção. Em Portugal lembra a colecção multi-autor Terra, para o seminal atelier ProtoDesign de José Viana e Marco Sousa Santos, no mesmo ano, que uniu futuros grandes nomes como o de Grcic a outros então emergentes como Vieira Baptista. A versão completa dessa colecção, bem como um smartphone de cerâmica, por exemplo, fazem parte da “wishlist para futuras aquisições” do comissário da exposição e da colecção.

Ainda não se sabe onde ficará depositada a colecção, diz Fernando Brízio, mas ligação com as Caldas é determinante. A cidade é “um centro cerâmico reconhecido em Portugal e no estrangeiro, com actividade continuada desde o século XV” e desde o século XIX, detalha João Serra, professor coordenador na ESAD.CR,  juntou-se ali “uma fileira completa, que vai desde a produção artesanal, a produção decorativa e artística, a produção industrial e um sistema de formação moderno que começou com a criação de escolas operárias, depois evoluiu para a formação técnica e, já no século XX, para o ensino superior”, onde a ESAD.CR “tem um curso de design de cerâmica e vidro único no país” cujos alunos expõem o seu trabalho na Casa dos Barcos nesta Molda. Somam-se-lhe “a patrimonialização do produto cerâmico através do museu” José Malhoa e sua secção especializada, com forte papel de Bordallo Pinheiro, detalha o antigo chefe da casa civil do Presidente Jorge Sampaio, e uma órbita de coleccionadores privados.

Em 2020, até quando está programado o Caldas Cidade Cerâmica, esta pretende candidatar-se à rede Cidades Criativas da UNESCO já com três edições da bienal realizadas e dois anos ímpares de iniciativas mais focadas na investigação, como explicou João Bonifácio Serra. Portugal já tem duas das 116 cidades criativas Unesco – Óbidos, na categoria Literatura com o festival literário Folio, e Idanha-a-Nova, com a música e dinâmica do Boom Festival. Esta é uma rede lançada em 2004 em torno de áreas que abrangem ainda a gastronomia, o cinema ou as artes dos média, e que visa incentivar a “promoção da criatividade e das indústrias culturais, partilhar boas práticas, fortalecer a participação na vida cultural e integrar a cultura nos planos e estratégicas de desenvolvimento económico e social”.

Joana Amaral Cardoso in – Jornal Público